Você realmente está seguro em casa? - Seduc Intec
08/10/2019

Você realmente está seguro em casa?

Por: Ricardo Castro

Veja, quando falamos em segurança já imaginamos alarmes, segurança privada, prevenção de assaltos né?

Se temos medos de perder os bens, mais ainda de perder a vida se entrar um bandido armado. E se te falarmos que existe riscos tão ruins quanto isso e você pode nem notar.

Quer saber qual é esse risco? Risco de morrer por choque elétrico.

Figura 1 – Choque elétrico

 

Segundo a ABRACOPEL, em 2015 houve 1249 acidentes com eletricidade no Brasil, sendo que 590 deles resultaram em fatalidades. Isto é, aproximadamente 5% menor que o ano de 2014, mas continua sendo expressivo.

E como podemos prevenir esses acidentes pra não se tornar uma possível fatalidade? Simples, seguir algumas dicas que daremos aqui.

 

  1. Cuidado com tomadas:

Desde julho de 2011 a legislação brasileira, através da NBR NBR 14136, estipulou as tomadas de 3 pinos como padrão nacional.

Figura 2 – Tomada de 3 pinos (Brasil)

 

Apesar das criticas por ser o único modelo do mundo, e não compatível com nenhum outro, ele é considerado um dos mais seguros. Isto é possível devido a vários fatores, mas o principal é a impossibilidade de contato acidentais em partes energizadas (conforme Figura 3).

Figura 3 – Demonstração com uma haste de cobre simulando o contato de um dedo.

 

Além dessa vantagem com a instalação elétrica operando, esse padrão também oi projetado para que tenha garantia que o contanto intencional na tomada não gere um choque elétrico (Figura 4.a) e ainda é recomendado uma proteção extra para crianças (Figura 4.b)

Figura 4 – Proteção de projeto e protetor externo

 

Ao utilizar a tomadas, cuidado com as adaptações. Com o novo padrão existe dois tipos de tomadas: a comum (10A) e de uso especifico (20A) e é perceptível a comum tem a furação tomada de uso especifico.

Figura 5 – Diferença tomada 10 e 20 amperes

 

Então, como muitos equipamentos estão com a tecnologia avançada, estão vindo com pinos mais grossos, por consumirem mais potência. Logo, é rotineiro usar uma adaptação, principalmente o uso do “TE” e essa pratica pode ocasionar incêndio.

Então, nunca utilize “TE” (também conhecido como Benjamim em algumas localidades), pois ele não é fabricado para suportar mais que 10A. Caso não tenha uma tomada, chame um profissional para adequar a instalação aos seus componentes elétricos.

Figura 6 – Uso inadequado do “TE”

 

Outra pratica do mau uso do “TE” é agrupar várias conexões numa única tomada (Figura 6). Isso potencializa o risco de incêndio, então só use no máximo 1 e se todos os dispositivos plugados nele não ultrapassem 10 amperes (consultar tabela de informação do equipamento).

Em relação ao uso de tomadas em ambientes molhados, tais como cozinha e banheiro, sempre se atente a não ficar projetando água para dentro das tomadas, principalmente em momentos como cozinhar e lavar a louça.

Essa praticas já são previstas na norma NRB5410 e para instalações elétricas em áreas molhadas como cozinha, banheiro, lavanderia, piscinas, áreas externas ou tomadas internas que alimentam áreas externas, além de um circuito especifico, se faz necessário a instalação de um Disjuntor Residual (DR) com a finalidade de assegurar a integridade de pessoas, visto há maior probabilidade de acidentes com eletricidade em função da manipulação da água perto dessas instalações.

 

  1. Aterramento:

Como já mencionamos anteriormente as tomadas foram atualizadas para maiores segurança. Então, uma dessas seguranças é o pino central que é aterramento.

O aterramento tem a função primordial de proteger as pessoas e as instalações em caso de falha no circuito elétrico. A instalação adequada evitaria problemas como aqueles clássicos choques na porta da geladeira ou no chuveiro.

Se a instalação não tem aterramento ou sua tomada não está adequada, procure um profissional para adequar, pois a falta dessa proteção pode ocasionar a morte.

 

  1. Dias de tempestade:

 

Em dias que há previsão de raios e até mesmo quando o temporal se arma, tome as seguintes precauções:

  • Sempre busque lugares abrigados;
  • Evite utilizar equipamentos com fios, pois existe estatística de mortes com pessoas que receberam descargas elétricas pelo telefone (com fio), do raio que caiu na rede;
  • Não se abrigue de baixo de arvores, pois elas podem ser usadas de para raios pela natureza. Prefira marquises de prédios, pois eles possuem estruturas de proteção contra descargas atmosféricas.
  • Evite correr em ambientes abertos. Quando o raio caio no chão, cria um gradiente energia chamado tensão de passo e ocorre justamente pela diferença de tensão entre as pernas. Tenha calma, vá devagar, no menor passo possível, até chegar no abrigo mais próximo.
Figura 7 – Descargas Elétricas

E além das dicas de segurança mencionadas acima, para melhor proteção da sua instalação elétrica da sua residência e até mesmo de sua empresa, utilize Dispositivo de Proteção contra Surtos (DPS). Em caso de uma descarga elétrica na sua instalação, ele irá minimizar os danos ou até evita-los, prevenindo prejuízos em razão da queima dos eletrodomésticos e eletrônicos.

Figura 8 – Instalação DPS

 

  1. Trocar de Lâmpadas:

 

Trocar a lâmpada as vezes é rotina comum das tarefas domésticas, visto que é uma tarefa relativamente simples. Porem, essa missão esconde alguns riscos.

Primeiramente não improvise utilizando mesas e outros artificio que não tenham boa sustentação e estabilidade ao subir, sempre procurem usar escadas.

As escadas devem ter ante derrapante e não se é recomendado ficar no último degrau, pois esse movimento obriga a ficarmos com os pés juntos (o que piora nosso equilíbrio).

 

Figura 9 – uso correto da escada

 

Antes de iniciar a troca da lâmpada, garanta que o circuito está desligado. Se você não tem certeza se lâmpada ou não energizada, procure o disjuntor da iluminação para eliminar a energia perigosa.

Ao rosquear a lâmpada evite apertar com muita força porque o bulbo da lâmpada pode quebrar e cortar sua mão. As instalações são projetadas para terem fáceis contatos, caso não seja seu caso, então procure um profissional para adequar o soquete da lâmpada (suporte).

Em caso de dúvida, sempre procure um profissional para lhe orientar e até mesmo adequar sua instalação para que fique de forma mais segura. Desta forma caminharemos para um Brasil mais seguro e

 

REFERENCIAS: http://abracopel.org/noticias/confira-os-dados-estatisticos-de-acidentes-de-origem-eletrica-de-2015/, NBR5410, NBR 14136

Mais da Categoria

Ver todas